28/12/07

Prémios e etc.

Antes de mais, agradeço às lindas meninas Anette e Anna por terem premiado este blogue, pois é sempre bom receber elogios, sobretudo de quem admiramos. Confesso que não sou grande apologista desta história dos prémios. Acho sempre injusto só poder nomear 5 ou 7, números francamente insuficientes para abranger todos os blogues que visito com frequência e os respectivos autores que vêm a esta ”cozinha” espreitar e comentar. Porque gosto muito desses blogues e com todos eles tenho aprendido muitíssimo, vou subverter as regras e passar a “batata quente” aos que nos visitam. Ou seja, considerem-se todos nomeados. Deixo aqui as normas para vosso conhecimento:
ss

1. Este prémio deve ser atribuído aos blogues que considerem serem bons (
entende-se como bom os que costumam visitar regularmente e onde deixam comentários). Agora percebem porque é que não podia nomear só 7!!!
www
2. Somente se recebeu o "Diz que até não é um mau blog", deve escrever um post indicando a pessoa que lhe deu o prémio com um link para o respectivo blogue; a tag do prémio; as regras; a indicação de outros 7 blogue para receberem o prémio.
ssss

3. Deve exibir a tag do prémio no seu blogue, de preferência com um link para o post em que fala dele.

4. (Opcional) Se quiser fazer publicidade ao blogger que teve a ideia de inventar este prémio, ou seja – Skynet - pode fazê-lo no post.

APROVEITO ESTE POST PARA DESEJAR A TODOS OS QUE NOS VISITAM UM 2008 RECHEADO DE COISAS BOAS.

19/12/07

Muffins de aveia, canela e sultanas


Antes de mais quero agradecer as palavras de apoio e pedir desculpa por andar desaparecida deste blogue e dos blogues amigos. Agora que já estou mais animada, prometo que ponho a escrita em dia.

Estes muffins são uma excelente opção para o pequeno-almoço ou lanche, pois são pouco doces e ficam muito bem com chá ou café com leite (o L. come-os como se fossem pãezinhos, barrando-os com manteiga). Enfim, um docinho mais dietético para antes do Natal, pois não convém começar já a abusar. Retirei a receita daqui.

Ingredientes:

1 chávena de flocos de aveia
1 chávena de buttermilk
(ou 1 colher sopa de sumo de limão + leite magro)
¾ chávena de farinha
½ colher de chá de fermento
¼ colher de chá de sal
¾ colher de chá de bicarbonato de soda
½ colher de chá de canela
2 ovos batidos ligeiramente
½ chávena de açúcar castanho
6 colheres de sopa de manteiga derretida
1/3 chávena de sultanas (uva passa)

O buttermilk pode ser substituído pelo seguinte preparado (quantidade para 1 chávena): 1 colher de sopa de sumo de limão à qual se adiciona o leite magro (morno) necessário para perfazer 1 chávena. Deixa-se repousar durante 10 minutos. Pensei em substituí-lo por iogurte, mas depois de fazer este preparado, percebi que é bastante menos ácido do que o iogurte. Noutra receita talvez não haja problema de usar iogurte, mas nesta, que é pouco doce, acho que não é boa ideia.

Passemos aos muffins. Misturar os flocos de aveia com o buttermilk e deixar repousar durante 30 minutos. Misturar a farinha, o fermento, o bicarbonato, o sal e a canela. Noutro recipiente, juntar os ovos ao preparado de aveia e buttermilk, adicionar o açúcar, a manteiga e a mistura seca (farinha, etc.). Misturar bem. Não se preocupem que e massa fica com um grumos, por causa da aveia (depois de cozido não se nota). Juntar as sultanas e envolver. Encher as formas, previamente untadas, com 2/3 de massa. Levar ao forno, a 200/210 graus, entre 15 a 20 minutos.

13/12/07

Entrecosto no forno com cogumelos

Ainda às voltas com o meu entrecosto cortado aos pedaços, desta vez resolvi juntá-lo a uns amigos muito especiais, uns cogumelos brancos e assá-lo no forno… e, como se não bastasse, decidi ainda acompanhá-lo com um arroz árabe (que é uma óptima companhia) … o resultado foi este!

Ingredientes:
500 gr de entrecosto cortado aos pedaços
200 gr de champignons(inteiros)
5 dentes de alho
2 colheres de sopa de margarina
Vinho branco q.b.
Sal
Pimenta
Colorau

Preparar uma massa com os alhos picados, a margarina, o sal, pimenta e colorau com a qual se unta o entrecosto – deixar marinar 30 minutos. Coloca-se este preparado do entrecosto com a massa em forno bem quente para alourar. Quando o entrecosto estiver a ficar dourado, junta-se ½ copo de vinho branco e os cogumelos inteiros. Deixar cozinhar até o entrecosto estar assado.
Para o arroz árabe: numa panela coloca-se 1 cebola pequena cortada aos cubos a refogar com azeite. Quando a cebola ficar transparente junta-se 1 chávena de chá de arroz e deixa-se fritar durante 1 ou 2 minutos. Ao arroz junta-se 100 gr de sultanas e 50 gr de pinhões, mexe-se e por fim junta-se 2 chávenas de água, tempera-se com sal e deixa-se cozer.

12/12/07

Torta de Cenoura

Quero dedicar esta receita, que a minha mãe me passou, à minha amiga Pipoka que, embora estando a passar por um momento difícil, não recusaria um belo doce para animar…

Ingredientes:
500 gr de cenoura
4 ovos
450 gr de açúcar
4 colheres de sopa de farinha
Açúcar e canela para polvilhar

Descascar as cenouras e cozer numa panela com água. Após cozidas, reduz-se a puré no passe-vite. Bate-se as 4 gemas com o açúcar até fazer um creme esbranquiçado e junta-se o puré da cenoura. Bate-se as claras em castelo que são envolvidas delicadamente ao preparado anterior e por fim, junta-se a farinha.
Unta-se com margarina um tabuleiro de tortas, forra-se com papel vegetal e volta-se a untar com margarina e depois polvilha-se com farinha. A torta fica cerca de 10 a 15 minutos em forno bem quente, até estar cozida (atenção para não ficar muito seca, pois torna-se difícil a tarefa de enrolar…).
Estende-se um pano lavado e borrifa-se com água e polvilha-se com açúcar e canela. Após a torta estar cozida e, enquanto ainda quente, coloca-se sobre o pano (polvilha-se com açúcar e canela a parte que fica voltada para cima) e com a ajuda do pano enrola-se a torta, apertando bem para unir.
A torta deve ficar “húmida” e servir-se fria.

10/12/07

Sopa de batata-doce e caril

Para aquecer e animar as hostes nestes meses de invernia, nada melhor do que uma sopinha. Se levar caril, tanto melhor, se o caril for “hot”, então não há frio que resista!
Ingredientes:

500 g de batata-doce
50 g de manteiga
1 cm de gengibre fresco
3 alhos
1 colher de chá de caril (usei hot madras)
3 chávenas de água a ferver
1 ½ cubo de caldo de legumes biológico
1 chávena de leite magro
Pimenta e noz-moscada moídas no momento
Rodelas de lima ou limão para enfeitar

Descascar as batatas e cortá-las aos cubos. Descascar os alhos e picá-los. Descascar o gengibre e ralá-lo (ou picá-lo). Derreter a manteiga, juntar o alho e o gengibre e saltear durante 1 minuto. Deitar o pó de caril e deixar libertar o aroma. Verter a água a ferver e juntar os cubos de caldo de legumes esfarelados. Quando levantar fervura, colocar a batata-doce. Deixar cozinhar em lume brando até a batata cozer (15 a 20 minutos). Triturar a sopa. Temperar com pimenta e noz-moscada. Juntar o leite e levar novamente ao lume até ferver. Servir bem quente, guarnecida de rodelas de lima (ou limão).

Fonte: Boa Mesa – Sopas & Casseroles.

07/12/07

Almôndegas de bacalhau

Esta receita foi retirada de As Minhas Receitas de Bacalhau do humorista português Herman José. Confesso que comprei o livro só por causa desta receita, mas revelou-se uma boa surpresa, recheado de pratos de bacalhau muitíssimo originais.

Ingredientes:

Almôndegas
600 g de bacalhau (previamente demolhado)
1 bolinha de pão de mistura ou outro pão a gosto
1 dente de alho
1 cebola
Salsa picada a gosto
2 ovos
Farinha
Sal e pimenta

Molho
2 latas de tomate pelado (ou 1 kg de tomate fresco)
2 dentes de alho
10 colheres de sopa de azeite
1 folha de louro
1 ramo de salsa
8 folhas de manjericão
1 copo de vinho branco
Sal e pimenta
1 pitada de açúcar

Almôndegas: dar uma fervura ao bacalhau - quem tiver facilidade em tirar as espinhas e desfiar o bacalhau em cru, pode saltar este passo) – deixar arrefecer até conseguir retirar-lhe as espinhas e desfiá-lo muito bem. Juntar o bacalhau, o alho picado (uso um espremedor), a cebola picada, o pão, previamente demolhado em leite e bem escorrido, e a salsa. Misturar bem - já que estão com a mão na massa, aproveitem para desfiar um pouco mais o bacalhau. Bater os ovos e juntá-los ao preparado anterior, misturando até ficar uma pasta homogénea. Atenção: dependendo do tamanho dos ovos, pode ser que não seja preciso utilizá-los todos, pois convém que a massa das almôndegas não fica demasiado mole. Temperar com sal e pimenta. Moldar as bolinhas, passá-las por farinha e fritá-las.
xx
Para o molho: se usar tomate fresco, há que retirar-lhe a pele e as grainhas. Numa caçarola, juntar o tomate, o alho, o azeite, as ervas aromáticas e o vinho (verificar ao longo da cozedura se é necessário juntar a açúcar). Deixar cozinhar, até ficar um creme espesso e o tomate perder o sabor a cru. Retirar as folhas, passar o molho pelo liquidificador ou pela varinha mágica. Temperar com sal e pimenta.

04/12/07

Queques salgados de cenoura com arroz de grelos


Ao ler os posts da Marizé e da Elvira com receitas retiradas do livro Cozinhar com Vegetais da Maria de Lourdes Modesto, concluí que não tenho dado a devida atenção a esta preciosidade, que tem estado a ganhar pó na minha prateleira desde Agosto. Eis a receita que desencantei para o jantar de sábado.


Ingredientes:

125 g de cenoura ralada
30 g de nozes moídas
80 g de queijo de S. Jorge ralado ( 125 g de cheddar na receita original)
1 mão-cheia de coentros picados (ou cebolinho)
175 g de farinha
1 colher de sopa de fermento
½ colher de chá de sal fino
Pimenta e noz-moscada
1,75 dl de leite
3 colheres de sopa de azeite
1 ovo
(o ovo que usei era pequeno e acho que podia ter colocado, pelo menos, mais uma clara)

Juntar a cenoura ralada, as nozes moídas, o queijo e os coentros. Directamente por cima desta mistura, peneirar a farinha com o fermento, polvilhar com o sal, a pimenta e a noz-moscada. Misturar (eu usei um garfo, para ser mais fácil). Num outro recipiente, juntar o leite, a gema e o azeite. Misturar este preparado ao da cenoura, mexendo bem. Bater a clara em castelo e envolver na massa. Deitar em formas de queques (ou muffins) untadas com manteiga. Vai ao forno, previamente aquecido, durante 20 a 25 minutos a 200 graus.

Acompanhei com arroz de nabiças. Segue assim a receita: refogar, em azeite, meia cebola e 1 dente de alho picados, sem deixar queimar. Juntar as nabiças picadas grosseiramente. Salteá-las. Deitar água quente (2 ½ ou 3 chávenas, depende não só da quantidade do arroz, mas também da quantidade das nabiças, no meu caso eram muitas). Quando ferver, adicionar 1 chávena de arroz. Deixar cozer e servir!

03/12/07

Crumble de pêra e sultanas (ou sobre a arte da sedução)

Na passada semana, o crumble – e o jantar romântico de alguém que não posso nomear senão dá cabo de mim - foi tema de conversa de fim de tarde lá no emprego. O nosso colega F. achou que era ideal para um homem sem jeito para cozinhar dar os primeiros passos na feitura de sobremesas e, claro está, impressionar uma mulher. Este curioso debate sobre a arte da sedução teve como resultado uma imensa vontade de fazer – e de comer - o famigerado crumble.

Ingredientes:

1kg de peras maduras
4 colheres de sopa de sultanas (uvas passa)
Vinho do Porto q.b.
Sumo de limão q.b.
100 g de farinha
80 g de flocos de aveia
½ colher de sopa de canela
80 g de açúcar amarelo
80 g de manteiga (ou margarina vegetal)

Colocar as sultanas de molho no vinho do Porto. Descascar as peras, tirar-lhes o pedúnculo e cortá-las aos cubos. Colocar as peras num recipiente de ir ao forno, untado com manteiga, e regá-las com um pouco de sumo de limão. Noutro recipiente, misturar a farinha, os flocos de aveia, o açúcar, a canela e a manteiga cortada aos cubinhos. Misturar tudo com as pontas dos dedos até formar uma espécie de areia grossa. Escorrer as passas e espalhá-las por cima das peras. Espalhar a massa por cima. Levar ao forno cerca de 30 minutos.